sexta-feira, 31 de julho de 2015

J-League 2015

Mais uma cartela da J-League, a do Shonan Bellmare. O Shonan Bellmare fez tudo certo para ser promovido em 2014. Foi uma temporada perfeita. Mas começou 2015 tropeçando na hora de montar o elenco para a J1. Dispensou 24 jogadores - apenas três titulares, sendo que dois (Maruyama e Taketomi) estavam emprestados, mas perdeu o artilheiro Wellington Souza (20 gols na J2) por ter oferecido apenas seis meses de contrato a ele. O português Guima (ex-Cluj, da Romênia) seria o substituto, mas não passou nos exames médicos. De última hora chegou Bruno Correa, que vem de um semestre ruim no Botafogo onde jogou pouco e não fez nenhum gol. Entre os centroavantes, Yoshihito Fujita (ex-Marinos) é mais uma contratação contestável e Alison (emprestado pelo Mirassol-SP) é só uma promessa. O reforço que realmente empolgou foi o retorno do ídolo local Kaoru Takayama (ex-Kashiwa). Naoki Yamada (emprestado pelo Urawa) tem qualidade mas nunca teve uma sequência de jogos por causa de inúmeras lesões. Na defesa, a única mudança é no centro da zaga, onde André Bahia (ex-Botafogo) deve ser o titular. O elenco tem vários jogadores que estavam no Bellmare rebaixado em 2013 - Endo, Nagaki, Takayama, Daisuke Kikuchi, Kobayashi, Misao, Otake, Otsuki e Shimamura. O clube aposta na continuidade e o sul-coreano Cho Kwi-Jae vai para a quarta temporada no comando. Se manter a boa forma e o entrosamento de 2014, o Shonan pode sobreviver na J1 sem muitos sustos, mas a princípio briga só para não cair. No 1º Turno, o Shonan terminou na 10ª colocação e atualmente, depois de passadas 5 rodadas do 2º Turno, o Shonan está na 7ª colocação.

domingo, 26 de julho de 2015

J-League 2015

Depois de uma pausa, a J-League está de volta com o Shimizu S-Pulse. A temporada 2014 foi um Deus nos acuda para o Shimizu, que por pouco não foi rebaixado pela primeira vez. Apesar do desempenho ruim, o técnico estreante e ídolo local Katsumi Oenoki continua no comando, agora com a chance de iniciar o trabalho na pré-temporada. Nada menos que 16 novos jogadores chegaram - seis deles voltaram de empréstimo e três foram promovidos da base. Os principais nomes são os estrangeiros que vieram para o ataque: Peter Utaka (ex-Beijing Guoan) e Mitchell Duke (ex-Central Coast Mariners). Porém, nenhum deles vinha se destacando por seus clubes. Takashi Sawada (ex-Kumamoto) e Takuma Edamura (estava emprestado ao Nagoya) são outros bons reforços para o setor ofensivo.  A defesa, segunda mais vazada de 2014, é o grande ponto fraco. Rikihiro Sugiyama (ex-Kawasaki) veio para competir pela camisa 1 com Masatoshi Kushibiki, que é o goleiro da seleção olímpica mas tem falhado seguidamente. O elenco tem oito zagueiros e muitos têm sido usados como laterais. Shoma Kamata (ex-Shonan) e Tomoya Inukai (estava emprestado ao Matsumoto) são favoritos para atuar pelos lados da defesa. O S-Pulse é um time jovem, com a menor média de idade da J1 (24 anos). Tem muitos pratas da casa e Oenoki os conhece bem, pois era técnico da base antes de ser jogado na fogueira para treinar o time principal. Mas os resultados no último semestre colocaram em cheque sua capacidade. Se a defesa não melhorar e os novos atacantes não corresponderem, o Shimizu pode mais uma vez lutar contra o rebaixamento. No 1º turno, o Shimizu terminou na lanterna da competição e depois de 4 rodadas a equipe não está conseguindo reagir e está na penúltima colocação.
Fonte: Guia J-League 2015 GE

sábado, 25 de julho de 2015

Brasileirão 2015

A próxima série do Sandescudos será a do Brasileirão 2015, que já virou tradição. As postagem, continuarão a ser em ordem alfabética e iniciarão logo aós a ultima postagem da J-League 2015. Aguardem!!!!


Copa América 2015

Finalmente, o último post da Copa América. O Grupo C teve como atração principal a revanche entre Brasil e Colômbia, e dessa vez a Colômbia saiu vitoriosa e com Neymar dando uma aula de destempero e imaturidade, acabando expulso e fora do restante da competição. O destaque do grupo foi a equipe Peruana, capitaneada pelo atacante Paolo Guerrero, que pela 2ª vez terminou a competição como artilheiro. No grupo, três equipes classificaram-se para as Quartas: Brasil em 1º, Peru em 2º e Colômbia como 2º melhor 3º lugar de todos os grupos. Nas quartas, o Brasil decepcionou mais uma vez e foi eliminado pelo Paraguai nas penalidades. O Peru passou pela Bolívia e nas Semifinais perdeu para o Chile e acabou a competição em 3º lugar, vencendo o Paraguai por 2 x 0. Já a Colômbia, decepcionou e acabou eliminada nas Quartas de Final para a Argentina nas penalidades. O grande campeão foi o Chile, que pela 1ª vez conquista a Copa América e está classificado para a Copa das Confederações em 2017.

Brasil - (PDF) (PNG)
Colômbia - (PDF) (PNG)
Peru - (PDF) (PNG)
Venezuela - (PDF) (PNG)

terça-feira, 14 de julho de 2015

J-League 2015

Depois de uma pausa nas publicações da J-League, volto hoje com o Sanfrecce Hiroshima. Uma palavra define a pré-temporada do Hiroshima: preocupante. Afinal, dois de seus principais jogadores foram embora. Naoki Ishihara para o Urawa e Yojiro Takahagi para o Western Sydney Wanderers. É bem verdade que já virou rotina perder atletas importantes para outros times, mas a falta de reposição é alarmante. Para o ataque vieram apenas Kohei Kudo e Douglas - ambos estavam na J2 com o Kyoto Sanga. Kudo é um meia de distribuição que também atua como volante. Douglas é atacante de definição. O volante Kosei Shibasaki pode passar a jogar mais adiantado, ao lado da promessa Gakuto Notsuda ou do veterano Koji Morisaki. Hisato Sato, o centroavante dos gols bonitos, está prestes a completar 33 anos mas ainda é o craque do time, junto com o volante Toshihiro Aoyama e o zagueiro da seleção japonesa Tsukasa Shiotani. Nas alas, posição que mais se desgasta no 3-4-2-1 de Hajime Moriyasu, há uma espécie de revezamento com três boas opções para cada lado: Mihael Mikic na ala direita, Satoru Yamagishi na esquerda e mais dois que atuam pelos dois lados: Yoshifumi Kashiwa e Kohei Shimizu. A defesa, que era o ponto forte, mostrou fraquezas no semestre passado. O trio Shiotani, Chiba e Mizumoto deve continuar como titular mas agora há concorrência com Sho Sasaki (ex-Kofu). Moriyasu terá que tirar um coelho da cartola para fazer sua equipe recuperar o bom futebol perdido em algum momento de 2014 e voltar a disputar as primeiras posições. No 1º turno, o Sanfrecce terminou na 3ª colocação e no 2º turno, depois da 1ª rodada, a equipe está na 3ª colocação.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Copa América 2015

Não consegui postar antes da Final o restante das cartelas, mas terminarei esse série o mais rápido possível. Hoje é a vez do grupo B. Os platinos foram as principais forças do grupo. A Argentina de Messi e o Uruguai de Cavani (Suárez cumpriu suspensão pela mordida em Chiellini na Copa do Mundo) classificaram-se sem problemas. O Uruguai acabou sendo eliminado pelo Chile, nas Quartas e a Argentina mais uma vez ficou com o Vice, perdendo para o Chile nas penalidades.  Lesionado, o atacante Óscar Cardozo desfalcaou o Paraguai que contou com a dupla Lucas Barrios e Roque Santa Cruz, que se classificou como terceiro do grupo e nas Quartas de Final, masi uma vez despachou o Brasil nas penalidades. Convidada, a seleção da Jamaica não passou de um mero figurante.

Argentina - (PDF) (PNG)
Jamaica - (PDF) (PNG)
Paraguai - (PDF) (PNG)
Uruguai - (PDF) (PNG)

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Copa América 2015

Antes da Final da Copa América, tentarei postar todas as seleções. Postarei os grupos completos e hoje é o Grupo A. Jogando em casa, o Chile fez valer o favoritismo e conseguiu facilmente a classificação para a  próxima fase. Com um time recheado de destaques em grandes times europeus, a equipe do técnico Jorge Sampaoli chegou para a competição embalada pela boa participação na Copa do Mundo, foi eliminada pela Brasil nas oitavas. Sem a altitude, a Bolívia contava com os gols de Marcelo Moreno, ex-Grêmio, para brigar com o Equador pela classificação, e conseguiu. O Equador chegou ao Chile com a tarefa de quebrar um tabu: há quase 14 anos, três edições ou nove jogos, os equatorianos não venciam uma partida na competição sul-americana. O tabu caiu na vitória por 2 a 1 para o México, mas a classificaão não veio. Com uma equipe montada sem os principais jogadores do país, os mexicanos "preservaram" seus principais jogadores para a disputa da Copa Ouro em julho, e acabaram na lanterna do Grupo.

 Bolívia - (PDF) (PNG)
Chile - (PDF) (PNG)
Equador - (PDF) (PNG)
México - (PDF) (PNG)

terça-feira, 30 de junho de 2015

J-League 2015

Aos poucos as postagens da J-League vão saindo. Hoje é a vez da cartela do Sagan Tosu. Desde que subiu para a J1, as temporadas do Sagan Tosu têm sido oito ou oitenta. Ou vai muito bem e disputa as primeiras posições (2012 e 2014) ou vai muito mal e luta contra o rebaixamento (2013). O ponto em comum é que o time nunca começa entre os favoritos. É difícil para um clube pequeno segurar seus principais jogadores após uma boa campanha, mas nisso a diretoria teve sucesso. Renovou com o goleiro Akihiro Hayashi, com o volante Naoyuki Fujita, com os meias Kim Min-Woo e Kota Mizunuma e também com o centroavante Yohei Toyoda. A única saída que deve ser sentida é a do lateral Michihiro Yasuda (Kobe). Seu substituto, Yutaka Yoshida (ex-Shimizu), vem de um ano inconsistente. O meia Baek Sung-Dong (ex-Iwata) pode se mostrar uma boa aquisição caso se mantenha saudável - é um jogador de muito talento mas que foi pouco aproveitado no Júbilo por causa de seguidas lesões. O Tosu é e joga como time pequeno. Prioriza a defesa, fica na espera de um contra-ataque e abusa das bolas longas. Na frente, Toyoda é um dos melhores centroavantes da liga. É um adversário difícil de ser batido e que sabe se defender. O recém-chegado Hitoshi Morishita não deve fazer muitas mudanças no estilo de jogo. Se ele apenas der continuidade ao trabalho do antigo treinador Yoon Jung-Hwang, terá uma equipe que dificilmente briga por algo, mas que vai dar trabalho. Terminado o 1º Turno, o Sagan Tosu ficou na 11ª colocação.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

J-League 2015

Continuando com a J-League, a cartela de hoje é do Nagoya Grampus. Passada a difícil reestruturação de 2014, em que o Grampus brigou para não cair no primeiro semestre e se recuperou no segundo, Akira Nishino pôde respirar aliviado e continuar seu projeto de longo prazo, a exemplo do que fez durante dez anos no Gamba Osaka. O treinador havia prometido um estilo ofensivo, e pelo menos isso ele já cumpriu. Assim como o Gamba da década passada, o Nagoya de hoje marca e também sofre muitos gols. A preocupação é que o time foi o que menos contratou na J1. De possível titular, veio apenas o veterano Milivoje Novakovic (ex-Shimizu). A aquisição em definitivo de Kensuke Nagai do Standard Liège deve ser ainda mais comemorada, pois o atacante reencontrou seu melhor futebol no retorno ao Japão e pode até ser convocado para a seleção se manter o nível em 2015. Leandro Domingues e Kawamata, contratados no meio da temporada passada, são os jogadores-chave que podem fazer o time brigar por algo a mais no campeonato. A defesa não é o forte das equipes de Nishino e não é diferente com o Grampus. Seigo Narazaki (38 anos) e Marcus Tulio Tanaka (33) já deixaram para trás o auge de suas carreiras, e o atacante Kisho Yano deve se converter de vez em lateral direito. O volante Taishi Taguchi ganhou moral após ser chamado para o Japão de Aguirre e faz uma dupla sólida com o colombiano Danilson à frente da zaga. Se tivesse reforçado o sistema defensivo, dava para esperar mais do Nagoya em 2015. No mínimo, a torcida verá um time que joga para frente e continua a marcar gols.

sábado, 20 de junho de 2015

Copa América 2015

Em breve aqui no Sandescudos!!! Aguardem!!!


J-League 2015

Mais uma cartela da J-League, a do Montedio Yamagata. O Montedio retorna à J1 tentando quebrar um tabu. Desde 2012, o terceiro time que subiu da J2 sempre terminou na lanterna na primeira divisão. A última vez que um terceiro promovido sobreviveu na J1 foi em 2008, com o Kyoto Sanga. Mais preocupante foi a pouca movimentação do clube no mercado. Com poucos recursos financeiros, não veio nenhum reforço para o ataque. A diretoria se concentrou em manter seus principais jogadores, como o goleiro Norihiro Yamagishi (que virou herói ao marcar um gol nos acréscimos da semifinal dos playoffs, contra o Júbilo Iwata), e o atacante Shota Kawanishi, contratados em definitivo de Urawa Reds e Gamba Osaka, respectivamente. Masaki Miyasaka, jogador crucial para o meio-campo, renovou apesar do assédio do Matsumoto Yamaga. Diego Souza, artilheiro e líder de assistências da equipe, também continua. Meia de origem, Diego tem rendido mais depois que foi convertido em centroavante. Ele ganhou a companhia de mais um brasuca, o volante Alceu, que estava no Marília mas já jogou na J-League por Kashiwa e Sapporo. Para a defesa, ponto forte da equipe ano passado, chegaram nomes modestos, como o lateral Kazuki Segawa (ex-Gunma) e o não tão confiável zagueiro Kodai Watanabe (ex-Sendai). A esperança de sobreviver na elite é continuar com a boa fase que levou o time à inédita final de Copa do Imperador. Ainda assim, a defesa será exigida como nunca e Yamagishi vai ter que fazer mais alguns milagres para evitar o rebaixamento. Após 16 rodadas, o Montedio Yamagata está na 16ª colocação, na zona de rebaixamento.
Fonte: Guia J-League 2015 GE 

sexta-feira, 19 de junho de 2015

J-League 2015

Ultimamente estou mais ocupado com trabalho e atendimento de pedidos, mas a J-League continua. Hoje é a cartela do Matsumoto Yamaga. Imagine alguém que chega na cidade grande pela primeira vez, cheio de esperança, e logo de cara lhe levam a carteira, o celular e o relógio. É com essa sensação de "vou ter que me virar" que o Matsumoto Yamaga estreia na primeira divisão, após apenas três temporadas como clube profissional. Além de ter perdido peças importantes da defesa como os zagueiros Atsuto Tatara (Sendai) e Tomoya Inukai (Shimizu), a saída da estrela Takayuki Funayama (Kawasaki) foi um balde de água fria. Vieram vários nomes para o ataque, mas jogadores de certo destaque apenas na J2, como Tomoki Ikemoto (ex-Kitakyushu), Takayoshi Ishihara (ex-Okayama), Tomoyuki Arata (ex-Okayama) e Naoki Maeda (emprestado pelo Verdy). A responsabilidade de carregar o setor ofensivo vai ficar com Obina. Porém, assim como o outro brasileiro recém-chegado, Doriva (ambos vieram do América-MG), ele parece ainda não estar na melhor forma. A defesa foi recomposta com mais reforços vindos da J2, os zagueiros Keita Goto (ex-Okayama) e Ryusuke Sakai (ex-Kyoto), além de Tatsuya Sakai (sem parentesco), que conseguiu a proeza de ser convocado para o Japão de Aguirre mesmo sendo reserva no Sagan Tosu. Tomohiko Murayama, que três anos atrás jogava na JFL, é a opção número um para o gol, mas Tomoyuki Suzuki (ex-Tochigi) veio para fazer sombra. O Yamaga tem estrutura para se firmar na J1 a longo prazo, mas tudo indica uma temporada difícil pela frente. Se não for rebaixado, 2015 terá sido um sucesso. Depos de 15 rodadas, o Matsumoto Yamaga está na 14ª colocação, próximo à zona de rebaixamento.
Fonte: Guia J-League 2015 GE